quinta-feira, 12 de novembro de 2015

"A Revolução dos Bichos", de George Orwell

Estou pensando em dedicar o mês de Novembro de cada ano a ler pelo menos um livro do George Orwell. Li 1984 (que é do mesmo autor) em Novembro do ano passado e achei incrível, com A Revolução dos Bichos não foi diferente. Os personagens protagonistas desta história são todos animais, e mostra uma enorme alegoria para representar a ditadura stalinista.

A REVOLUÇÃO DOS BICHOS
George Orwell
147 páginas
Editora Companhia das Letras

A história se passa na Granja do Solar, onde um dia os animais resolvem se revoltar contra a forma que são tratados. Depois que eles conseguem espantar os antigos donos da granja, resolvem criar uma sociedade igualitária. onde nenhum animal seia mais do que o outro. Surgem então dois líderes: o porquinho Napoleão, que nada mais é que uma representação de Stálin; e o porquinho Bola-de-Neve, uma referência a Trotski. Ambos os porcos possuem ideiais e visões bem diferentes para o rumo da fazenda, tornando-os rivais. Napoleão é mostrado como a figura que usa de força militar para tomar o poder, enquanto Bola-de-Neve usa persuasão, sempre tentando convencer os outros pelo diálogo. Em um determinado momento Napoleão vai conseguir tomar o controle, fazendo com que Bola-de-Neve fuja com o rabo entre as pernas. É a partir daí que toda desgraça se desenrola.

Invés da sociedade igualitária que foi proposta no começo, eles começam a perceber que Napoleão vai assumindo todo o controle e ganhando todas as vantagens enquanto a maioria ganha quase nada, instaurando-se uma verdadeira ditadura. A todo momento Napoleão informa que os fazendeiros podem voltar para tomar a fazenda, transforma Bola-de-Neve no inimigo nº 1 ao dizer que ele quer destruir tudo o que construíram, diz que outras granjas fazem planos para os enfraquecerem, cria uma verdadeira paranoia de medo na cabeça dos bichos. É claro que os animais percebem que existe alguma coisa de errado, porém a ingenuidade e o medo os impedem de fazer alguma coisa para mudar toda a situação.

Legal fazer um adendo também que o livro nada mais é que uma fábula, e nela os animais ganham personalidade e até mesmo podem falar. É então que entra a genialidade de Orwell ao usar metáforas para nos revelar sua história, pois pega cada característica dos animais para representar membros da sociedade. Os porcos, por exemplo, não medem esforços para fazer um trabalho sujo desde que estejam no controle; já os cavalos são aqueles que trabalham muito mas recebem pouco, possuem uma visão ignorante da tirania e acham que tudo está sempre bem; as ovelhas, então, são as que sofrem maior lavagem cerebral, por serem inocentes são as mais facilmente manipuláveis. Existe também o corvo Messias, que vive iludindo os bichos dizendo que quando morrerem irão para um Céu onde encontrarão um local repleto de torrões de açúcar, e por aí vai...

Não é muito difícil você juntar cada característica da sociedade que eu citei com o devido animal, por isso mesmo o livro gerou um grande rebuliço na época, chegando a ser distribuído clandestinamente. A leitura do livro é fácil, e pelo seu tamanho tenho certeza que todos podem ler. A edição que a Companhia das Letras fez está muito caprichada, e a capa está linda. Você pode encontrar mais informações sobre George Orwell no post que fiz sobre 1984. Até a próxima!

0 comentários:

Postar um comentário