sábado, 28 de novembro de 2015

Livro + Filme: "Divergente" e "Insurgente"

Depois da leitura da trilogia Divergente, fiquei curioso para ver os filmes. O trailer de Divergente não me animou nem um pouco, o que me achou atenção foi o trailer de Insurgente, cheio de ação. Em geral, gostei da adaptação. Os dois são muito parecidos em vários aspectos, e quem gostou do primeiro vai gostar do segundo. Não vou explicar a sinopse, pois já escrevi sobre os livros, e é basicamente a mesma história.


Em elenco, gostei dos atores que fazem o casal Tris e Quatro, interpretados por Shellane Woodley e Theo James. Não gostei quando soube que escolheram o ator Jai Courtney para viver Eric, por não achá-lo parecido fisicamente com o personagem do livro, mas depois de sua atuação até agradeci que tenham escolhido ele. Miles Teller como Peter ficou bom também, mesmo que suja contraparte do filme seja mais bonzinho,  já Ansel Elgort como irmão da Tris não me agradou nem um pouco.


Kate Winslet como a vilã Jeanine foi uma ótima escolha, ela é uma excelente atriz, no primeiro filme senti que ela estava meio desconfortável no papel, mas no segundo ela incorpora o personagem de vez. Naomi Watts também está bem, mas não achei uma boa escolha por não conseguir ver ela como mãe do Quatro, entendo que ela tenha 47 anos, mas ainda aparenta ser muito mais jovem. Acho que o maior pecado do elenco em geral foi ter escolhido atores muito velhos para personagens que deviam ser adolescentes, e isso fica nítido.


A direção está legal para um filme de ação, e senti um capricho enorme nos efeitos especiais, tiveram um grande cuidado nesta parte. Tudo bem que em Insurgente algumas tecnologias da história ficaram hi-tech demais, mas a parte das simulações está maravilhosa. A criação da Chicago futurista e decadente ficou incrível, e notei que as facções foram trabalhadas para cada uma passar sua personalidade claramente, as roupas e locais estão lindos.


Em questão de adaptação da história, gostei mais de Insurgente que Divergente. O grande problema do primeiro filme é que ele tenta ser fiel demais ao livro e algumas coisa não funcionam direito (falo principalmente da cena de suicídio de um dos personagens). O ritmo adolescente de descoberta da facção Audácia e superação das provas ainda está lá, mas as amizades de Tris ficaram bem apagadas, com exceção de Christina. Já Insurgente adaptou muita coisa, e talvez por isso eu tenha gostado tanto. Muitas partes do livro acabariam estranhas e até mesmo chatas, agradecido que tiraram aquele mimimi da história. Notei que os filmes ficaram em cima do muro em mostrar uma história mais madura ou mais jovem, entretanto o resultado puro é diversão, e é isso que importa.


Falando sobre o final, este foi outro ponto que ficou diferente, com os portões se abrindo e a população indo embora. Será que vão mudar muito a história do terceiro filme com relação ao livro? Será que vão manter aquele final polêmico? Alguma coisa nova vão ter que inventar, pois o terceiro livro é paradão demais e sem ação. Convergente será lançado em março de 2016, quando estrear pode ter certeza que falo aqui no blog!

0 comentários:

Postar um comentário