terça-feira, 8 de março de 2016

Manga "Planetes" de Makoto Yukimura

Talvez aproveitando a onde de filmes como Gravity, Interstellar e até mesmo The Martian, a Panini lançou aqui para nós o manga Planetes, que foi uma grata surpresa. Feito pelo mangaka Makoto Yukimura, a obra foi publicada de 2001 a 2004, e não é simplesmente uma história sobre o cotidiano de astronautas no espaço, mas sim um manga contendo elementos que a tornam no mínimo peculiar.

PLANETES
Makoto Yukimura
4 volumes (formato tankobon)
Editora Panini

É até difícil falar sobre a história de Planetes, pois ela não tem especicadamente apenas um protagonista em que toda a história gira em torno dele, e sim várias personagens que em algum momento ganharão destaque, nem que seja apenas um capítulo. Hachirouta Hoshino é o que chega mais perto de ser o protagonista principal, pois além de aparecer nas capas dos volumes, também é o que possui mais capítulos dedicados a ele. Hoshino é membro de uma equipe de catadores de detritos espaciais, e ficamos sabendo que seu sonho é ser um grande astronauta e reunir dinheiro para comprar sua própria nave. Porém, a trama acaba sendo mais profunda que isso.

A história é futurista, se passa entre os anos 2050, sendo assim, tenta nos mostrar uma visão bem bacana de como serão as viagens espaciais no futuro, sem nada de exageros, buscando ser real o máximo possível. Além da típica história de como é ser um astronauta, o autor tenta levantar outras questões interessantes, como os próprios detritos que ficam no espaço, até coisas como terrorismo e uma possível guerra. Talvez um dos pontos pouco inventivos do autor é pensar que seria permitido fumar no espaço, ou até mesmo levar animais de estimação, se bem que essas cenas geralmente levam a momentos divertidos e bem-humorados.

Gato astronauta? Só podia ser em Planetes mesmo!
Não considero o manga genial, mas por tentar ser acima da média para mim isso já o faz ser muito bom. A história tem uns toques de filosofia e reflexão (e até surrealismo em algumas partes) e isso deixa a trama especial. São poucos os capítulos que considerei chatos ou sem acontecimentos interessantes. O traço do autor é lindo, e tenho certeza que só por este fator você já vai querer continuar até o fim. O desdobramento da história, em mostrar o ponto de vista de outros personagens, acrescentou muito, notamos um esforço do autor em fugir de algo superficial.


A Panini lançou o mangá aqui em formato tankobon (que é como se chama os volumes originais japoneses), incluindo inclusive algumas páginas coloridas. Além disso possui um bom papel, que não compromete a cor, além de uma capa bem trabalhada e até mesmo orelhas no manga! A primeira edição veio até um marcador de Planetes, só pela editora ter tido todo esse capricho pela obra já foi compra certa para mim. Sei que o manga se tornou um anime, que inclui algumas diferenças e até alguns personagens únicos que tornam-se importantes, então logo pretendo ver! Se gostar posso até comentar aqui (e se minha força de vontade deixar também)!

0 comentários:

Postar um comentário