sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Melhores e piores leituras de 2016

2016 foi um ano difícil e complicado, para se dizer o mínimo! Até mesmo aqui no blog, fiz pouquíssimas leituras, por isso resolvi não separar os posts de melhores e piores leituras desta vez. Vou explicar um pouco do ocorrido abaixo e também comentar rapidamente sobre esse ano que se encerra. No final também vou adiantar algumas ideias para 2017!


Pensei, realmente, em fazer um post retrospectiva falando sobre todos os problemas desse ano, porém acredito que todos já sabem, não é mesmo? Morreu artistas importantes (David Bowie, Alan Rickman, Carrie Fisher), a economia no Brasil está passando por uma de suas piores crises, houve várias polêmicas na politica do mundo inteiro (tanto no nosso país quanto no exterior), tragédias como o avião da Chapecoense ocorreram, e vivemos um desanimo coletivo acarretado por causa de tudo isso. Mas nem só de coisas ruins foram o ano, tivemos de bom as Olimpíadas, mostrando que o brasileiro consegue sim montar coisas admiráveis, tudo acabou bem e tivemos excelentes jogos. Esse ano mostrou também que o brasileiro consegue se reinventar diante dos problemas, e esse é um motivo de orgulho.

No blog fiz no total 18 leituras de livros, ou seja, li menos que o ano passado, mas tenho minhas explicações. No final do ano passado eu tive a ideia de começar outros projetos paralelos, e foi o que fiz. Alguns derem certo, outros não, mas todos foram concluídos, e tomaram muito meu tempo. No meu desafio literário acabei colocando dois livros de As Crônicas de Gelo e Fogo, que são enormes e tive que me dedicar bastante para terminá-los. E o próprio ano desanimador me trouxe dificuldades também.

Essas foram minhas leituras preferidas!


Foi um livro que ficou pendente de terminar em 2015, e completei esse ano. Foi uma das melhores leituras que fiz, aprendi muito sobre o Japão, o budismo, Canadá e até mesmo sobre o quão pavoroso pode ser o bullying. Leituras recomendada para quem quer saber um pouco mais sobre o lado sombrio do Japão.


Foi uma releitura maravilhosa e muito engraçada da época da minha adolescência. Douglas Adams tem um refinado humor nonsense que cativa todo mundo. Li toda a saga para o Mês Especial em Fevereiro, e ainda continuo achando os três primeiros livros os melhores!

Bom-Crioulo, de Adolfo Caminha

Livro excelente, brasileiro, sobre o caso de amor platônico de um marinheiro. É um livro interessante por abordar temas tão polêmicos para a época, e que infelizmente ainda são tabu para a grande maioria das pessoas nos tempos de hoje.

Androides sonham com ovelhas elétricas?, Philip K. Dick

Livro que inspirou o filme Blade Runner. As duas obras são muito diferentes, mas ainda sim são incríveis. Philip K. Dick é um dos escritores que foi mais adaptado para o cinema, e Androides sonham com ovelhas elétricas? é um excelente livro para começar a conhecer as obras dele.

The Bell Jar, de Sylvia Plath

O livro se passa no começo da década de 1950, uma época em que as mulheres eram criadas para se tornarem donas de casa, e a protagonista da história vai logo a contraponto disso. Livro que começa alegre e que não vai se manter da mesma forma até o final.

A Tormenta de Espadas, de George R. R. Martin

Melhor livro da saga até o momento. Tem tudo o que gostamos desde o primeiro capítulo e só vai melhorando ao longo de suas quase 900 páginas: repleto de intrigas, traições, reviravoltas e muita fantasia.

Precisamos falar sobre o Kevin, de Lionel Shriver

É aquele tipo de livro que todo mundo PRECISA ler! Ou todo mundo que um dia pensa em ter filhos... É uma total quebra de paradigmas sobre o que a sociedade nos impõe como família. Lionel Shriver criou uma uma obra incrivelmente perturbadora e fascinante do começo ao fim.

Breakfast at Tiffany's, de Truman Capote

Uma releitura deliciosa para acompanharmos a história de uma das personagens mais cativantes de literatura. No caso estou falando de Holly Golightly, uma garota meio perdida no mundo vivendo em uma New York da década de 40.



Agora as piores leituras! Lembrando que os livros abaixo não são exatamente ruins, mas se comparados com as melhores eles são bem inferiores.

Terras Metálicas, de Renato C. Nonato

A primeira leitura frustante do ano foi um livro de fantasia/ficção científica escrita por um brasileiro. Livro onde pré-adolescentes resolvem problemas que nem adultos conseguem, mas invés de magia, usam poderes de um chip. Tudo isso com uma boa dose do já vi isso antes! Talvez agrade jovens leitores...

Anti-Justine, de Restif de La Bretonne

O livro até tinha começado interessante, depois ficou chato e repetitivo. Seria um livro que eu deixaria batido sem terminar se não fosse o desafio literário, infelizmente um livro francês que não recomendo. Ou leia, se a curiosidade for forte!

A Fúria dos Reis, de George R. R. Martin

A falta de acontecimentos interessantes me fez detestar o segundo livro da saga. E ainda por cima foi uma leitura extremamente arrastada, levei três meses para terminar, e isso ainda atrasou todos os outros livros que tinha para ler. O livro até engrena lá perto do final, mas até chegarmos lá é uma entediante jornada.

Jogador nº 1, de Ernest Cline

Livro com ideias muito boas, mas que resolve não se aprofundar em nenhuma delas. Você pode se interessar pelas referências, que são o grande barato da obra, mas pode ficar cansado de todo o resto. Vale o aviso que é um livro que todos amam, vai virar filme pelas mãos do Spielberg, então se prepare para ser a ovelha negra caso concorde que esse livro é ruim.

Bem pessoal, para 2017 não irei fazer ou participar de nenhum desafio literário. Estou achando que o próximo ano será ainda mais atarefado que este, então não vou arriscar de me comprometer com uma coisa que já tenho certeza que não conseguirei cumprir. Também pretendo falar mais de filmes, estou tendo algumas ideias legais com o tema.

Nos vemos ano que vem, falta pouco!

0 comentários:

Postar um comentário