sábado, 1 de abril de 2017

"O Dragão de Gelo", de George R. R. Martin

Não comecei a ler ainda o quarto livro de As Crônicas de Gelo e Fogo, e por isso é provável que nem consiga fazer uma resenha tão cedo. Como houvi rumores que pode ter a aparição de um dragão de gelo nos próximos livros (ou na série), resolvi ler este conto infantil escrito pelo próprio Martin. É a primeira vez que ouvimos falar de outros dragões que não são do elemento fogo, hora de conhecermos suas lendas!

O DRAGÃO DE GELO
George R. R. Martin
125 páginas
Editora LeYa

Adara é a protagonista da historia, uma menina que nasceu de um parto difícil, em um longo e vigoroso frio de Inverno. Sua mãe infelizmente acaba morrendo no parto, e ela acaba sendo cuidada pelo seu pai, seu irmão e seu irmã mais velha. Diferente dos outros, ela é uma criança de personalidade introspectiva, que não sorri com frequência, e que prefere muito mais sua solidão do que a companhia de outras pessoas. Sua pele também é azul-clara e gelada, sendo que muitos diziam que o frio vivia dentro dela. O mais interessante disso tudo é que um dragão de gelo foi visto no vilarejo na época de seu nascimento, e esse seria o motivo da ligação da menina com a criatura mágica.

O dragão de gelo criado pelo Martin é realmente de gelo, ou seja, seu corpo é inteiramente uma geleira muito resistente. As pessoas nunca souberam se o frio que trazia o dragão de gelo, ou se o dragão que trazia o frio. Sua habilidade é justamente soutar uma baforada congelante, que pode congelar qualquer coisa em instantes. Eles também são muito maiores que os dragões de fogo, e bastante selvagens, sendo poucas as pessoas que conseguem montar nestas criaturas. O livro mostra Adara convivendo com esse dragão, até aparecer um conflito na história, relacionado à uma guerra que acontece perto de onde mora.


O livro não é cheio de violência, sangue, tripas ou cabeças rolando (coisas costumeiras em sua obra principal), mas também não é tão inocente assim. Até mesmo porque o Martin faz algumas descrições muito detalhadas de algumas partes sombrias, o que pode agradar leitores adultos. Os desenhos também passam longe da fofura dos livros infantis comuns. As ilustrações de Luis Royo são um tanto quanto realistas, os dragões realmente parecem ameaçadores. Porém essa decisão da escolha de ilustração combinou completamente com a obra, sem dizer que são belíssimas. Podemos apreciar momentos chave da história com esses desenhos.

Eu andei pesquisando na internet sobre esta obra, e descobri que esse livro não se passa no mesmo universo de As Crônicas de Gelo e Fogo. Na verdade o livro foi escrito nos anos 80, muito antes de George R. R. Martin publicar o primeiro livro da saga nos anos 90. Porém, não deixa de ser um "embrião" que o escritor venha a aproveitar na sua obra de maior sucesso, pois dragões de gelo sempre foram citados, e agora poderiam finalmente dar as caras. Inclusive existem algumas pistas que a história do conto poderia ter se passado durante a Longa Noite, mesmo que alguns detalhes não fechem muito bem com o restante da trama.

Enfim, é uma obra muito recomendada para os fãs de fantasia. A edição da LeYa não está incrível, a capa não é realmente dura, e pode facilmente amassar, mas para quem está interessado apenas na história, deve ser uma compra certa sim!

0 comentários:

Postar um comentário